Antes de mais nada, durante a gravidez, as gestantes podem apresentar muitos sintomas, os mais comuns: náuseas e vômitos. No entanto, quando eles surgem de forma exagerada, é conhecido hiperêmese gravídica.

Aliás, as sensações de mal-estar e o ato de vomitar conteúdo gástrico são manifestações altamente recorrentes durante as primeiras fases da gestação. Apesar de serem incômodas, tendem a serem bem administradas e toleráveis por parte das mulheres.

No entanto, certas pacientes sofrem com sintomas intensificados, necessitando de uma atenção especial. Além disso, em algumas circunstâncias, a hospitalização é recomendada.

Contudo, qual é o limite que define quando esses sintomas ultrapassam o que é normal? E como podemos melhorar a qualidade de vida das gestantes? Para saber mais sobre a hiperêmese gravídica, continue a leitura!

O que causa a hiperêmese gravídica?

A causa principal da hiperêmese gravídica é a elevação de um dos hormônios envolvidos no processo gestacional do bebê, o HCG. Da mesma forma  que ocorre com o enjoo matinal. No entanto, algumas mulheres podem ter maior sensibilidade a esse hormônio, resultando em náuseas e vômitos constantes.

É importante ressaltar que cada gestação é única. Desse modo, uma mulher que apresentou hiperêmese gravídica em uma gestação pode não apresentar a condição em outra gravidez. Então, se você está com medo de repetir essa experiência, procure seu médico.

Quais os riscos da hiperêmese na gavidez?

Além de ser muito desconfortável, a hiperêmese gravídica pode resultar em outras complicações para a gestante. Aliás, a gravidade dos vômitos pode afetar diretamente as funções do fígado e dos rins. Bem como provocar fraqueza, desidratação e perda de peso.

Quando os vômitos se intensificam e os problemas metabólicos não são corrigidos adequadamente, há o risco de comprometimento do sistema cardiovascular. Ou seja, com o surgimento de arritmias, e complicações do sistema nervoso central.

Além de alterações comportamentais e neurológicas que podem ser graves.

A hiperêmese gravídica pode comprometer a evolução da gestação e afetar o bem-estar do bebê. Ainda assim é capaz de aumentar a incidência de parto prematuro, crianças pequenas para a idade gestacional e baixo peso ao nascer.

Além disso, esse distúrbio é considerado um fator que pode ter um impacto negativo no neurodesenvolvimento do embrião e do feto.

Principais sintomas

Antes de mais nada, a mulher pode apresentar episódios frequentes de vômito, sentir náuseas, ter dificuldade para se alimentar e perder peso durante a gestação. 

Também pode ocorrer salivação excessiva, queimação no peito ou pescoço, hálito ácido semelhante a álcool, coração acelerado e pressão baixa. Esses sintomas são comuns na hiperêmese gravídica, uma condição que pode surgir por volta da 6ª semana de gravidez. 

Além disso, pode causar desidratação devido à perda excessiva de água e dificuldade em se alimentar. É importante ficar atento aos sintomas e buscar ajuda médica, já que os remédios naturais mais comuns podem não aliviar as náuseas das gestantes.

Vale ressaltar, que aos primeiros sintomas, a gestante deve procurar ajuda médica. Muitas pessoas resolvem usar medicamentos sem indicação, o que pode ser prejudicial.

Saiba como diagnosticar a Hiperêmese gravídica

Anteriormente falamos sobre os principais sintomas da gravidez. No entanto, é comum que grávidas sintam náuseas matinais. Por outro lado, algumas mulheres podem ter enjoo muito forte e vomitar várias vezes ao dia, não só pela manhã. 

Ou seja, isso é conhecido por hiperêmese gravídica e pode levar à desidratação, como citado. Por isso, que em nesses casos, essas mulheres precisam de cuidados médicos.

A hiperêmese gravídica difere do enjoo matinal comum. Isso porque a gestante perde peso nos primeiros meses em vez de ganhar. Sendo este, um dos principais sinais da condição clínica.

Dessa forma, para diagnosticá-la, é feita uma avaliação clínica. Para isso, é necessário aferir a presença de cetona na urina, eletrólitos no sangue e função renal. Essa doença pode apresentar características específicas.

Além disso, uma das características é a perda ponderal (mais de 5% do peso da mulher), desidratação e cetose. Por isso, os médicos geralmente suspeitam da doença a partir dos sintomas relatados pela mulher, como a frequência, duração e início dos vômitos. 

Desse modo, medições regulares do peso também podem auxiliar no diagnóstico.

Quais as principais recomendações para mulheres com esse problema na gestação?

No caso de desnutrição e desidratação leves, o tratamento inclui repouso, medicação, boa hidratação. Além disso, uma dieta específica para corrigir a perda de nutrientes e seus efeitos no organismo são indicados. 

No entanto, em casos de hiperêmese gravídica, uma internação também pode ser necessária. Devido aos riscos de rápida deterioração da condição da gestante. A internação planeja reverter um cenário mais grave de desidratação e desnutrição, bem como fornecer cuidados complementares.

No entanto, não há orientações específicas para prevenir o problema e a melhor abordagem é adotar hábitos saudáveis. Ou seja, isso inclui seguir uma dieta equilibrada, fazer exercícios físicos e praticar atividades para a saúde mental, como meditação.

Cuidados com a hiperêmese gravídica

Depois de ler mais sobre este tema, é importante destacar alguns pontos. A hiperêmese gravídica é uma condição que afeta algumas mulheres grávidas. Além disso, entendemos que ela pode ser caracterizada por náuseas, vômitos intensos e desidratação durante a gravidez. 

Além disso, a condição é causada por altos níveis do hormônio HCG, que está envolvido no desenvolvimento do bebê. No entanto, ela não é só completamente desconfortável, a hiperêmese gravídica pode resultar em complicações para a mãe.

Ou seja, desenvolver problemas no fígado e nos rins, fraqueza, desidratação e perda de peso. Também pode afetar o desenvolvimento do bebê, aumentando o risco de parto prematuro, baixo peso ao nascer e problemas de desenvolvimento.

Por fim, ressaltamos que o diagnóstico envolve uma avaliação clínica, que inclui a verificação de cetonas na urina, eletrólitos no sangue e função renal. Aliás, o tratamento geralmente envolve medicamentos, fluidos intravenosos e mudanças na dieta.

Em caso de desconfiança de hiperêmese gravídica é preciso buscar auxílio médico, como ressaltamos. Além disso, em muitos casos, esse acompanhamento será feito durante toda a gestação. Tanto para garantir a saúde da gestante, quanto do bebê. 

Por último, não deixe de ler mais sobre: Gestante: Descubra qual a melhor posição para você dormir

Artigo anteriorCurriculum Vitae: Descubra Quais Palavras Você Deve Evitar
Próximo artigoReserva de emergência: 5 dicas para você fazer a sua

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui